GIARDÍASE

 A giardíase é uma doença comum de cães, gatos e humanos, que freqüentemente é subestimada. É uma zoonose importante e é imperativo que tanto o animal de estimação quanto a família protejam-se da infecção. 
O tratamento pode fornecer um controle eficaz, mas, em muitas situações, as reinfestações são comuns, devido à dificuldade em se eliminar a fonte de infecção do meio ambiente.

 O QUE É:


A giardíase, também conhecida por lambliose, é uma infecção intestinal causada pelo protozoário flagelado Giardia lamblia. Ele pode se apresentar em forma de cisto ou trofozoíto, sendo que a primeira é a responsável por causar diarréia crônica com cheiro forte, fraqueza e cólicas abdominais no hospedeiro (cão, gato, gado, roedores, ser humano, dentre outros), graças às toxinas que libera. 
Essas manifestações podem gerar um quadro de deficiência vitamínica e mineral e, em crianças e animais, pode causar a morte, caso não sejam tratadas.

Altamente contagiosa, apenas 10 cistos pode causar uma infecção em um indivíduo.
A incidência maior é em animais jovens, e os que vivem em grupos como nos canis (gatis) e abrigos.
É comum passar despercebido principalmente nos indivíduos adultos ,o quadro pode ser agravado em animais com baixa imunidade,com verminoses e portadores de doenças infecto contagiosas.

FORMAS DE TRANSMISSÃO :


Os protozoários são transmitidos pela ingestão dos cistos oriundos das fezes de indivíduo contaminado, podendo estar presentes na água, alimento, nas mãos,podem ser transmitidos também de pessoa para pessoa, por contato e por transmissão sexual. Moscas e baratas também podem transportá-los.

SINTOMAS:


“Não existem sinais característicos da giardíase, pois diversas enfermidades intestinais se assemelham a ela, como ocorre com as gastroenterites virais, as bacterianas e as causadas por outros parasitos.Também se assemelha às alergias de origem alimentar, à enfermidade da má-absorção, a gastroenterite induzida por fármacos e as enfermidades alérgicas.”

Diarréia com odor forte
Fezes  aquosa 
Podem ficar esbranquiçadas
Presença de sangue
Flatulência (gases)
Cólicas abdominal
Emagrecimento progressivo (devido a má absorção de nutrientes
Fraqueza

DIAGNÓSTICO


A demonstração da infestação por Giardia pode fazer-se através da pesquisa
de quistos de Giardia nas fezes, embora seja um método falível porque há períodos em que não são eliminados quistos o que origina resultados negativos enganadores.
Assim, quando se suspeita da doença deve fazer-se um exame da fezes para
pesquisa de quistos de Giardia em três colheitas sucessivas, com repetição do exame dez dias depois do primeiro se este for negativo.
Há outros exames mais agressivos mas mais fidedignos, que podem ser utilizados quando o quadro clínico o justifica, como a aspiração de conteúdo do intestino ou a biopsia da mucosa intestinal para pesquisa de Giardia.




CICLO DE VIDA DO PROTOZOÁRIO

O parasita possui duas formas principais, a forma trofozoíta e a forma cística. O trofozoíto é móvel e pouco resistente no meio ambiente, sendo ele o responsável pela enfermidade nos hospedeiros. O cisto é imóvel e resistente no meio ambiente, constituindo a forma latente do parasita. A forma cística pode sobreviver por vários meses no meio ambiente úmido e frio, no entanto, ela é pouco resistente em locais com baixa umidade e temperaturas elevadas.


O ciclo da Giardia é direto, e relativamente simples (conforme ilustrado no esquema ). O animal se infecta ao ingerir o cisto, que poderá estar presente em alimentos ou em água contaminada. Ao atingiram o estômago e o duodeno, os cistos são rompidos pela ação das enzimas gástricas e pancreáticas. Cada cisto libera dois trofozoítos que irão colonizar o Intestino Delgado do hospedeiro. Sob condições apropriadas estes trofozoítos são novamente transformados em cistos.
Cada um destes novos cistos poderá romper-se no próprio hospedeiro liberando dois novos trofozoítos, ou então ser eliminado nas fezes, após um período de pré-patência de 1 a 2 semanas. Uma vez no meio ambiente, os cistos podem ser novamente ingeridos pelo hospedeiro, completando o ciclo


TRATAMENTO

Os agentes quimioterápicos  incluem os nitroimidazóis ( metronidazol, tinidazol), furadolizona, benzimidazóis (febendazol, albendazol), entre outros.
O mais comum é que a base do tratamento da giardíase seja eliminar os sinais clínicos associados com a infecção. Nos animais, freqüentemente ocorre a reinfestação, se os cistos infectantes não são retirados do ambiente. Isto implica em uma limpeza e desinfecção profundas sempre que possível, além de assegurar que a água e o alimento não se contaminem com as fezes. 

PREVENÇÃO

Alem da Limpeza e desinfecção profunda,feita com com derivados de Amônio Quaternário  (desinfetantes existentes no mercado)
Boa qualidade da água, cuidados com o alimento.

Vacina – Apesar de indicada por muitos veterinários,o índice de satisfação de quem fez uso em seus animais é baixo.
Recomendo leitura a esse respeito no Mãe de Cachorro também é mãe. Click AQUI.

APRENDA A LAVAR AS MÃOS CORRETAMENTE
Se você trabalha ou lida diretamente com animais,crianças e alimentos,observe a figura.

Esse post foi publicado em Cães e Gatos, Conscientização, Saúde. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s